Com o Transtorno de Estresse Pós-Traumático os níveis de cortisol ficam desregulados, afirma o Médico Endocrinologista Dr. Rodrigo Neves

Com a tragédia que vem ocorrendo o Rio Grande do Sul surgiu uma grande preocupação também com a saúde mental das vítimas, principalmente a respeito do Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT), que causa ansiedade e estresse crônico após um evento traumatizante. 

Dr. Rodrigo Neves

No entanto, problemas de saúde mental possuem também um grande impacto na saúde física, desregulando hormônios importantes do organismo, afirma o Médico Endocrinologista Dr. Rodrigo Neves.

A saúde mental e a física não são áreas separadas como muitos acreditam, há grandes relações entre as duas e em transtornos, como o pós-traumático, os hormônios do paciente são fortemente alterados, principalmente o cortisol e a serotonina, ambos relacionados ao humor”.

O cortisol, conhecido como o hormônio do estresse, está muito ligado com a capacidade de lidar com ameaças, já a serotonina, conhecida como hormônio da felicidade, controla a ansiedade e o estresse e gera sensação de bem-estar. Quando ambos estão desequilibrados há um forte impacto no humor e na saúde emocional do indivíduo”, explica.

Medicamentos podem ajudar, mas devem ser associados a terapia

Antidepressivos são os medicamentos mais usados para o tratamento de Transtorno de Estresse Pós-Traumático, ajudando a regular os hormônios do bem estar, mas não devem ser a única forma de tratamento, alerta o Dr. Rodrigo Neves.

Os antidepressivos ajudam bastante no tratamento de TEPT pois ajudam a estimular, por exemplo, a serotonina e noradrenalina, que ajudam na regulação do humor e das emoções, o que ajuda a controlar sintomas depressivos, mas não as causas do problema, por isso, a administração de fármacos deve ser sempre associada a terapia psicológica para lidar melhor com o trauma”.

Vale sempre ressaltar que os antidepressivos devem sempre ser usados sob prescrição médica, até mesmo o medicamento específico que será usado deve ser definido de acordo com a situação de cada paciente”, explica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *