Newsletter

Empregos na cadeia produtiva da saúde crescem

Regiões Norte e Nordeste se destacam em relação ao peso da cadeia no mercado total de trabalho, aponta estudo do IESS

As oportunidades de empregos geradas na cadeia produtiva da saúde fecharam os últimos três meses encerrados em janeiro deste ano com alta de 1,6% e totalizaram 4 milhões e 942 mil vínculos no País. As informações são do Relatório do Emprego na Cadeia Produtiva da Saúde nº 69, publicação do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS).

O estudo considera os setores público, privado e empregos diretos e indiretos sendo que, as regiões Norte e Nordeste se destacam com 14,5% e 12,4%, respectivamente, considerando o peso da cadeia no mercado de trabalho total.

Praticamente metade dos vínculos (2,4 milhões) pertencem ao Sudeste, no entanto, a região que registrou o maior crescimento no trimestre (18,3%) foi o Norte, seguido do Sudeste (1,5%), Centro-Oeste (0,5%) e Nordeste (0,4%). O Sul apresentou variação negativa (-1,9%) no período.

De acordo com a análise, 4 milhões de empregos (81,1%) pertencem ao setor privado com carteira assinada e, levando-se em conta a mesma comparação trimestral, o mercado de trabalho da economia teve leve retração de -0,3%. 

Para o superintendente executivo do IESS, José Cechin, o grande número de casos de dengue no Brasil, que em janeiro de 2024 foi três vezes maior que o ano anterior tem influência direta no volume de contratações na saúde. “Nota-se que no fechamento trimestral, o setor cresceu bem acima (1,6%) dos registros anteriores, indicador que, em parte, pode ser justificado por contratações de agentes de saúde ocorrida em vários estados”, afirma.         

Já o saldo mensal de oportunidades, registrado em janeiro, foi de 33,9 mil empregos no setor. No acumulado do ano, considerando os subsetores, o que mais gerou empregos formais na cadeia foi o de prestadores (114,5 mil), seguido por fornecedores (43,4 mil). Já operadoras tiveram saldo de 4,4 mil postos de trabalho. No total, o saldo do setor privado (162,4 mil) representa 11,6% do volume gerado pela economia (1,4 milhão).

Para acessar o relatório na íntegra, clique aqui.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Email
WhatsApp

Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *